Paulo César BRAVOS !!! Meu grande amigo guerreiro e revolucionário !!!

Era uma quarta-feira, 1 de novembro de 1989, véspera de feriado de Finados e acabávamos de perder as eleições presidenciais para o Collor naquela que foi a melhor e mais emocionante campanha da história do PT a campanha sem medo de ser feliz do Lula-Lá !!!. Estávamos todos ainda cabisbaixos e saindo de um evento do Sindicato dos Bancários e como já era muito tarde e a noite uma criança, resolvemos tomar a saideira em um boteco “chinfrim” da Av. São João cheia de tapumes por conta de uma obra de reformulação daquela região e quase na esquina com o Anhangabaú. O tal bar era o único ainda aberto e por isso lotado de funcionários dos Correios aguardando para a troca de turno.

Eu, o Cândido, o Mané e o Paulinho  sentamos junto ao balcão e logo percebemos que o único banheiro do “recinto” localizado no pavimento abaixo do piso estava impraticável para qualquer tipo de uso, a agua inundava tudo chegando até no segundo degrau da longa escada de acesso, sem chances de entrada ou saída. Pedimos as cervejas e logo em seguida fiquei sozinho, o Cândido e o Mané saíram sei lá pra onde e o Paulinho sumiu. Pensei, “que diabos de companheiros de copo mais negligentes com este amigo”, mas logo depois volta o Paulinho com cara de quem tinha arrumado mais uma das suas costumeiras confusões, sentou-se ao meu lado e eu perguntei de cara:
-“O que voce aprontou desta vez ?” e ele:
-“Voce viu o banheiro desta espelunca ?”
-“Vi e daí ?”
-“Daí que eu fui mijar lá na rua, ou melhor, na parede aqui do lado”
-“Sim mas e o que houve?”
-“Tinha dois PMs lá na Libero Badaró que me viram e ficaram piscando a lanterna da viatura para eu parar o “mijo”, daí fiz sinal para que eles esperassem, eles insistiram e eu fiz um outro sinal, não muito educado mas aproriado às circunstâncias do meu aperto e agora os “meganhas” estão vindo aí !!!
PMs e “petistas agitadores” mantinham ainda nessa época um certo “ódio”, digamos assim, uns dos outros, eles pelas constantes situações de humilhação e “xingamentos” em que ficavam expostos naqueles tempos de manifestações estudantis ou sindicais e nós pelas “borrachadas” e bordoadas impiedosas e subsequentes de seus cassetetes. Bem, ali eles não sabiam ainda nada sobre nós e então eu avisei logo ao Paulinho:
-“Voce não abra tua a boca !!! Eu te conheço !!! Então vê se fica na tua que EU falo com eles e tudo se resolve !!!” 
Os dois PMs entraram no bar, nos avistaram do outro lado do balcão mas antes começaram por conferir os documentos de todos os presentes já com as devidas mãos para a parede, na maioria “carteiros”, até que chegaram a nós e foram direto no Paulinho, de modo que um dos soldados ficou de costas para mim enquanto pedia os documentos para o “meliante” mijão. O Paulo César Bravos, repórter fotográfico e na época trabalhando no Estadão, ou o “Paulinho Imprensa” compositor de vários sambas enredo para o Carnaval de São Paulo que seria ali fatalmente “identificado” como jornalista e sambista ao mesmo tempo. Digo isso porque ele preferia sempre só apresentar seus  documentos de jornalista ou da Liga, já que para ele “carteira de identidade”, por ser expedida pela Secretaria de Segurança Pública não era um documento confiável, era na verdade um passaparte para o “inferno”, um certificado da “vida de gado” ou ainda um atestado de idiotice, e o pior é que ele adorava dizer isso para provocar todo policial que encontrava. Na certeza de encrenca e de “bate-boca” e de que logo estaria ali uma oportunidade para aqueles dois PMs fazerem alguma “merda” pensei em uma  forma de desviar para mim a atenção. Me ocorreu de “deslizar” suavemente o meu cotovelo direito de baixo para cima bem no “rego” da bunda daquele policial que estava de costas, SUCESSO!!! ele se virou imediatamente para o meu lado mas parece que suas palavras  “travaram” para uma possível bronca indignada ou  um legitimo mas leve  “protesto”. Mas me digam, como poderia o PM em meio àquele silencio amplo geral e irrestrito e diante de tantas testemunhas me formular qualquer tipo de questionamento ou acusação por eu ter literalmente lhe “passado a mão na bunda”
Me olhou fixamente e com “fogo no zóio” anunciou para mim e para o Paulinho Imprensa uma sonora  “voz de prisão” !!!. Perguntei qual o motivo, e ele:
-“Atentado ao pudor !!!”
Quando eu já ía propondo uma solução amigável apontando a eles a  situação do banheiro daquele “estabelecimento” e dizendo que o meu braço “escorregou” sem querer, eis que chegam esbaforidos e alucinados o Mané ( Manoel de Almeida ) e o Cândido munidos de seus “carteiraços” e gestos próprios das autoridades e já aos berros:
-“Aqui ninguém vai prender ninguém !!! Nós somos “assessores parlamentares” da bancada do PT na Câmara Municipal e esses dois aí são nossos amigos e estão conosco, vou ligar agora mesmo para os nossos  parlamentares !!!”   
Hora errada para tão repentina chegada, momento errado para “carteiradas”, discurso errado, no TOM errado e principalmente: PARTIDO errado !!!
É o que eu sempre digo, em 90% dos escandalos ou crimes ocorridos na esfera política deste país sempre haverá a presença, o gesto, a marca ou as digitais de algum “assessor”, eles sempre são mais realistas que o próprio “rei” que os contrata,  acham que foram eles os eleitos e na maioria das vezes se consideram os próprios “reis” da cocada preta, dos “palpites”, das “aloprações” ou das “recheadas cuecas” deste Brasil “véi” de meu Deus. Ato contínuo o outro PM foi até o rádio e em questão de minutos pelo menos umas dez viaturas cercaram o quarteirão em apoio aos solitários indefesos e até aquele instante “apequenados” dois soldados da PM. O Capitão e comandante da guarnição recem chegado se aproximou rápido e sem dizer uma só palavra, imediatamente nos algemou, a mim e ao Paulinho. Rumamos direto para a 1ª DP que  ficava na época no Palácio das Industrias do Parque D. Pedro II, fomos escoltados por todas aquelas viaturas de sirenes ligadas e barulhentas e seguidos pelo “fusquinha” do Cândido que queria ter a certeza de garantia da integridade física dispensada tanto ao “renomado” jornalista como a este então “membro do Governo Municipal”. Foi uma vergonha !!! mas esta ainda não tinha acabado.
Ao chegarmos na delegacia, os PMs foram direto confabular junto ao Delegado e já começamos a ficar desconfiados de que a nossa situação não era nada boa devido a quantidade de soldados e  os mais variados movimentos enérgicos que eram apontados em nossa direção por todos eles. O Delegado pediu para que nos aproximássemos e já sem as algemas eu pedi que antes de mais nada se ele poderia me ouvir no canto, ele consentiu e passei a ponderar sobre o “ridículo” daquela parafernália e movimntação toda e tudo por conta de uma simples “mijada”, contei a ele da situação do banheiro e que com todos os tapumes da Av.São João  somente aqueles dois PMs e mais ninguem é que poderiam ter visto o Paulinho apertado. Ele concordou comigo mas pediu que “déssemos um tempo”, pois os policiais estavam irredutíveis e raivosos conosco mas que com mais calma depois os convenceria de  que tudo não passou de um mal entendido e que em seguida nós seríamos liberados. Ufa !!! que alívio !!!, alívio que nada, nesse momento aparece uma outra ocorrência naquele distrito. Tratava-se de um sujeito que tinha sido preso em flagrante por ter tirado as calças e mostrado suas “partes” para molestar algumas moças em um ponto de onibus na Bela Vista. O Paulinho que até então tinha me “obedecido” e ficado calado durante todo o tempo e ainda sem saber do resultado da minha conversa com o Delegado se indignou e “mandou ver”:
“Mas o que é que é isso !!! Eu estou sendo enquadrado no mesmo artigo da lei que este tarado filho de uma puta só porque eu mijei na parede? Que “porra” de lei é essa? É isso que dá uma “constituinte” comandada por esse “frouxo” do Ulisses Guimarães e toda a sua corja do PMDB, o mesmo partido do Governador Fleury, que é o chefe do “caralho” desse delegado da mesma laia !!!”
Essas pertinentes mas “péssimas palavras” também foi a senha para atiçar o Cândido e o Mané lá no fundo para que gritassem as suas palavras de ordem:
-“Fascistas !!! Assassinos !!! Torturadores !!! Os porões desta delegacia ainda cheiram ao sangue dos mortos pela ditadura !!! Abaixo o Estado policial !!! “Milico” é imoral !!!”
Aí o delegado me chamou novamente:
-“Ou voce contém os teus “guerrilheiros terroristas” ou vão já todos os quatro “mofar” no xadrez !!!” 
Chamei os meus amigos de lado para uma reunião extraordinária e para uma “questão de ordem” onde fiz a seguinte intervenção:
-“Companheiros, tentem entender por favor !!!. A hora é grave mas a “conjuntura” não nos favorece. Não dá para iniciarmos a “revolução” numa madrugada de véspera de Finados, qualquer análise simples concluirá que “revolução” iniciada com esta data, estará inexoravelmente condenada ao fracasso !!! E além de nós, os únicos representantes da classe trabalhadora aqui presentes são os soldados desse batalhão da PM e aquele tarado informal e sem carteira assinada. Voces acham que eles iriam de uma hora pra outra aderir à nossa tão nobre causa ? Ou abortamos neste instante este nosso ímpeto revolucionário ou passaremos no mínimo o feriado inteiro dentro dos malditos cárceres da repressão !!!
Acho que fui convincente o suficiente já que nenhum dos tres solicitou qualquer aparte ou  qualquer “questão de esclarecimento” mas naquela altura o delegado já havia mudado a minha tentativa de acordo e resolveu abrir o B.O. e dar início a um processo por “desacato” e “atentado ao pudor” contra o Paulinho. Depois de todos os trâmites burocráticos e os devidos “toques de piano”, já era dia claro quando fomos liberados da delegacia e ao sair, o Paulinho que já estava indiciado mesmo, ainda foi interpelar o Capitão da PM, um rapaz ainda, e de porte alto e magro, com a seguinte indagação:
“Capitão “Linguiça”, desculpe mas não sei o teu nome, me tire uma dúvida, “atentado ao pudor” foi porque eu mijei na parede ou porque “passaram a mão na bunda” do teu comandado?”
O Capitão só disse o seguinte:
-“Vai pra puta que te pariu !!!”
Até agora voces não se perguntaram por que em momento algum, nenhum de nós quatro sofreu qualquer tipo de agressão ou violencia por parte desses policiais dentro ou fora da delegacia? 
Por dois motivos: Primeiro porque durante toda essa história o Delegado me pareceu simpático conosco e só deu prosseguimento à ocorrência por ter sido pressionado pelos policiais militares, acho até que riu muito de tudo aquilo. Segundo que desde o início, lá no “boteco”, o nosso amigo Mané tinha se apoderado da máquina fotográfica do Paulinho e dizia bem alto que estaria registrando tudo que acontecesse com fotos, apesar de ficar correndo o tempo todo pra cima e pra baixo e de um lado para outro da Av.São João. Nós só conseguíamos ver o “espoucar” dos seus  flasches tanto de longe quanto por perto dos “acontecimentos”, inclusive da janela do “fusquinha do Cândido. Ninguém conseguia pega-lo ou para-lo, parecia um “vagalume ninja” enlouquecido. Depois de tudo é que fomos verificar que apesar dele ter “estragado” três rolos de filmes, não conseguiu foto alguma pois não sabia nem colocar os filmes na máquina. 
Foi difícil só estando lá para ver… !!!
Passado alguns meses, embora eu tenha estado com o Paulinho várias vezes nesse período, um dia ele veio até mim feito um maluco:
-“Filho da Puta !!! Companheiro de merda é voce !!! Nem para comparecer na minha audiência com o Juíz para me servir de testemunha !!! Só o Cândido foi lá !!! O Capitão “Linguiça” e os dois PMs levaram até tres “carteiros” para testemunharem a favor  deles !!! Esses “carteiros de merda” e filiados naquele sindicato “de merda” vinculado ao PCO (Partido da Causa Operária ) !!!” e eu disse:
-“Mas eu não recebi comunicado nenhum sobre essa audiência e voce também não me avisou de nada !!!” e ele:
-“Bem, no final mesmo com a tua “trairagem” voce acabou sendo decisivo no caso, pois na hora em que o Juíz pediu a minha palavra, eu disse: “Tudo começou quando esse PM aí pediu os meus documentos…” na mesma hora o advogado da PM me interrompeu e pediu ele mesmo para que o Juíz arquivasse o processo de “desacato” e consequentemente o de “atentado ao pudor” pois eles  não tinham “muita certeza” de quem era o “possível mijão”, o teu “cotovelo” acabou livrando a minha cara !!! Valeu !!!”

Essa é uma de tantas outras  histórias com a mesma “temperatura” que vivi com o meu grande e inesquecível amigo Paulo César Bravos, o Paulinho Imprensa. Que faleceu na manhã do dia 06 / 01 / 2008 em decorrência de parada cardíaca no hospital aos 57 anos deixando a esposa  Marilena Torres Bravos e tres filhas. Antes esteve internado por quase dois meses, vítima de um acidente de bicicleta  em 8 de novembro. Ele acompanhava um grupo de ciclistas do qual fazia parte há algum tempo que transitavam pela Rua Borges de Figueiredo na Mooca, zona leste, quando o pneu dianteiro de sua bicicleta se prendeu na fenda de uma grade na rua. Na queda ele bateu o rosto no chão, teve deslocamento de três vértebras da coluna e outros ferimentos no rosto. Paulinho tinha perdido o movimento nas pernas.
Paulo Cesar Bravos trabalhou nos jornais Diário de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, O Globo, nas revistas Placar e Afinal,  entre outras publicações. Paulinho ficou exilado durante o período da Ditadura Militar no Chile onde registrou o que pode com o seu instrumento de trabalho do Golpe Militar desferido por Pinochet contra Salvador Allende. É dele também uma das mais famosas e célebres fotos do lendário Che Guevara.  Foi diretor do Sindicato dos  Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo e diretor da ARFOC-SP. Além disso com o nome de Paulinho Imprensa, foi compositor de inúmeros sambas-enredo do carnaval paulistano em especial para a sua Unidos do Peruche. Foi por “intimação” do Paulinho que eu acabei fazendo parte do grupo que definiu e elaborou a oficialização do Carnaval de São Paulo no Governo Luiza Erundina, por no entender dele, ser eu o único naquele governo da sua mais inteira confiança, embora eu nada tivesse a ver com o mundo do samba. Paulinho foi o primeiro sambista a adentrar oficialmente no Sambódromo ou Polo Cultural do Anhembi quando da sua inauguração em 1991 já que era o diretor do Grupo Afro Malungos” que fora convidado para abrir aquele Carnaval. Jamais me esquecerei da cena que vi dele cruzando a linha amarela que abre os desfiles e se ajoalhando e beijando o chão daquele que seria a partir dali o templo sagrado do Carnaval e do samba paulistano.

Tive a honra e o prazer de te-lo como um grande amigo, dos melhores que tive na minha vida e compartilhar de tantas noitadas e aventuras sempre repletas de alegria e muito humor e que hoje me traz uma enorme saudade. Já até imagino ele lá de onde estiver me “intimando” outra vez:

-“Enio, seu merda, ninguém vai fazer NADA contra esse “porra” do Kassab? Esse inútil e incompetente “prefeito de bosta” que deixou aquela grade na rua só pra me “fuder” !!!”

Veja também o vídeo do Carnaval da Peruche em 1994 com o samba enredo do Paulinho Imprensa cantado pelo fabuloso e inesquecível Jamelão:

Anúncios

14 respostas em “Paulo César BRAVOS !!! Meu grande amigo guerreiro e revolucionário !!!

  1. Ênio, meu chapa: lamento pela partida do Paulinho. Esse episódio da mijada é coisa de cinema! Cara, você tem o dom de me comover… E não esqueci da graspa, não. Ainda não sei quando irei a SP. Avisarei antes, pra você ir preparando os salgadinhos. Grande abraço!!!!

  2. Bela forma de homenagear Enio, contando uma história hilária e comovente como essa, que só poderia ter acontecido, é claro, com quatro petistas loucos. E só poderia também, ter sido contada por voce, meu amigo, para ter algo a mais que o riso pelo riso. Parabés, voce está conduzindo esse trem cada dia melhor !!! bjusss

  3. Este é o Enio que conheço e aprendi admirar, sempre inovando sem perder o humor. Parabéns este história e hilária, só poderia ter acontecido com você. É a sua cara. Saudações Petistas! Dudu

  4. Ênio!Mais uma vêz você posta um artigo genuinamente “seu”. Todo seu, com o seu jeito de ser e do quê você viveu, e que mantem a coerência.Bendito seja os blogs da vida que dia fêz eu te conhecer.Concordo com relação a minha crônica, a sua visão!!!Parabéns

  5. AMIGOS E PARCEIROS VIAJANTES DESTE “PTrem das Treze”Vou reproduzir o e-mail que recebi hoje do extraordinário, premiadíssimo e GRANDE jornalista Ricardo Kotscho sobre esta minha homenagem ao nosso saudoso Paulinho Imprensa:Ricardo Kotscho para mim 14:28 “valeu, Enio. já tinha visto teu blog e gostado muito. sim, conheci o Paulo Cesar Bravos, fomos contemporâneos e participamos de muitas coberturas juntos.Sempre que você contar uma boa história sobre personagens assim no teu blog, fique à vontade para colocar um link do Ptrem das treze no meu. assim mais leitores poderão conhecer e acessar o Ptrem das treze.este espaço é exatamente para voces também contarem suas histórias.abração,Ricardo Kotscho

VOCÊ É SEMPRE MUITO BEM VINDO !!! É A RAZÃO DE SER DAS NOSSAS "VIAGENS". Saiba que este "trem" é pobre, humilde e muito asseado. Daí que esta área de comentários NÃO É A PORTA DO BANHEIRO !!! Se for para vir aqui "pichar" com agressões e ofensas, vá fazê-lo lá fora !!! No mato !!! Nunca esqueça que você está sendo "filmado" !!!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s